quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Resumo da pré-época: Falta o Sisto!

Put on yur armour!


Fim do jogo. Porque a pré-época é isso mesmo: Um único e longo jogo, dividido em múltiplas partes. Daí ser prudente esperar pelo apito final para tecer considerações, embora os sinais tenham sido claros desde o início.

Diga-se que os próximos desafios serão uma espécie de prolongamento, pois acertos ainda serão, por certo, feitos ongoing. Seja como for, daqui em diante, cada jogo vale por si, sem hipótese de correção. Vamos a eles.



...





Deste início, alguns aspetos se destacam:

A) A definição clara de um 12(3?) que abordará o Campeonato na linha da frente: Iker; Ricardo (Maxi), Filipe, Marcano, Alex; Danilo, Oli; Corona (Ricardo), Soares, Aboubakar e Brahimi. Otávio entrará nestas contas, mas, infelizmente, não foi testado partindo da direita, onde teria maiores probabilidades de ganhar o lugar. Ou não.

Exceto ontem, foram estes que iniciaram os jogos e, mesmo sem estatística, são seguramente os que mais minutos acumularam. Uma equipa forte, pejada de internacionais, com dois reforços sonantes, mesmo sem nenhuma contratação.

Este A) justifica-se, creio, com

B) A implementação de um novo modelo que, partindo do anterior 442, apresenta uma ideia e processos de jogo completamente distintos. É curioso reparar que, e utilizando os mesmos métodos, as dinâmicas são outras. Por exemplo, continuamos a usar muitas vezes o passe longo. Mas agora procurando mais a profundidade, com propósito e até alguma mecanização, e menos o mandalápracima e eles que batam cabeças com os centrais. Nem vamos discutir, porque já passou, quem é que lá estaria para o fazer, dado que os avançados estavam na linha, os médios no nosso meio campo e os extremos em parte incerta.

A equipa está curta, em alguns momentos intensa, percebem-se as intenções e a presença na área - e suas imediações - multiplicou-se. Com tanta novidade, parece acertado deixar jogar muitas vezes juntos os melhores.

Gostei de algumas variações a este sistema prático e objetivo, como a libertação de um dos alas para uma missão "Messi". Sobretudo, foi uma delicia ver Brahimi - mais do que Otávio - nesse papel de vagabundo livre, percorrendo toda a frente de ataque, jogando e fazendo jogar.

Em suma, para além de diferente, o futebol do FCP é mais exigente e os jogadores parecem gostar. E rende golos em catadupa. Assim como deixa a defesa mais exposta, está claro. 

Daí, na minha opinião, a importância que Danilo terá na nova época. Todos os adversários criaram oportunidades de golo que poderiam ter dado outros contornos aos resultados. Não é normal, quando se trata do Gil Vicente ou do Portimonense. O crescimento em competição de Danilo, tratará, espero, de minimizar esse problema, providenciando uma ajuda extra à defesa que nenhum outro médio está apto a dar.

A) e B) demonstram um caráter pragmático na preparação, culminando em

C) Faltou-me "aquele" jogo. O teste a sério, contra um colosso que, independentemente da equipa apresentada, nos deixasse com um frio na barriga só pelas camisolas. O adversário contra quem comemoraríamos sentidamente cada golo ( não me cheguei a levantar em nenhum dos golos contra o Corunha ).

Mas a verdade é que, dia 9, não jogamos contra o Barcelona em Camp Nou. Jogamos no Dragão, contra o Estoril. É claramente para essa, e outras que tais, partida que nos preparámos. 

Virá o tempo de apanhar gente crescida e não o poderemos evitar. Veremos o que temos para oferecer nessas ocasiões, estando mais rodados, melhores fisicamente e, queremos!, mais confiantes. Melhores, pronto.

A) + B) + C) =

D) O rolo compressor. Oferecido como um cordeiro à ânsia - à imperiosa necessidade, digo - de vencer do nosso Povo, por contraste com os espalhanços dos rivais, o futebol de ataque e golos do FCP venceu, para já, as desconfianças e parece ter criado o tal mar azul.

Nada de orgasmos prematuros, até porque nos lembramos de outros rolos compressores que acabaram ajoelhados aos pés de um chato de galocha, em pleno Dragão. Ainda assim, precisávamos disto. Para que o mar cresça e se torne um maremoto, condição essencial para que tenhamos possibilidade de vencer a guerra que aí vem. Que será travada com armas desiguais, como sempre. Nada de ilusões.

...

Em todas as pré-épocas há quem se destaque e quem se apague. Durante o ano subsequente, muitas vezes estas primeiras impressões se revelam falsas. No entanto, não estamos a falar, pelo menos para já, de gente desconhecida. Deste modo, é mais provável que o que vimos seja uma amostra do que veremos. Vamos pois às individualidades, por ordem decrescente de importância:

Sérgio Conceição
O líder incontestado, o que é uma novidade. Teve a capacidade de chegar como se nunca tivesse saído e de deixar desde logo claro que é ele quem manda. Uma postura diametralmente oposta à do seu antecessor, em todos os aspetos. Conquistou logo por aí a massa adepta.

Tão importante quanto isso, foi ter apresentado um futebol novo, com quase todos os jogadores do ano passado. Uma equipa com marca de treinador, desenhada por ele à sua imagem e semelhança. De tal maneira que conseguimos todos dizer quem é que deveria colmatar o problema que temos - ah pois temos - na ala direita: Sérgio Conceição, o próprio. Haverá algum por aí?

Na Tasca dá-se o corpo ao manifesto na defesa dos nossos e não será diferente agora. Mas devo dizer que vou sendo conquistado, porque parti com um pé lá atrás. Não tão atrás como com NES, mas sem estar propriamente saltitante de felicidade. Continuo a ter as minhas dúvidas, pois claro, mas são menos e menos importantes. É bom sinal. É o grande ganhador deste período, seja qual for o ângulo de análise.

Ainda não valerá meia cláusula de rescisão do Zé, mas já não se me assemelha completamente fora de hipótese que possa vir a acontecer. No futuro!

Ricardo Pereira
Sentou e sentará Maxi, exceto quando tiver que ser extremo. Estou convencido que será dos tipos com mais jogos - e bons! - nas pernas no fim do Campeonato. 

Tem dificuldades de posicionamento? Sim, às vezes. Terá cada vez menos. Ataca lindamente e isso, para aquilo que preparámos, é o mais importante. Não comprometendo na defesa, longe disso.

O que me fez render foi, no entanto, o desempenho sempre que subiu no terreno. Não porque o ache um extremo fora de série - cumpre bem, é mais isso - mas sim porque foi o que melhor desempenhou o papel definido pelo treinador para aquela posição. Sem perder o sentido atacante, nunca se esqueceu de ser o terceiro médio. Foi um regalo vê-lo a disputar bolas de cabeça ao lado de Oli - e a ganhá-las - e, logo de seguida, ganhar as costas ao lateral ou oferecer o flanco a Maxi, criando uma linha de passe para Danilo ou Oliver. 25 milhões começam a ser curtos.

Brahimi
É o melhor, ponto final. O suplemento de qualidade extra da equipa. Não vai ser fácil que faça o que o treinador lhe gostaria de pedir, lá isso não. Daí que me pareça que, inteligentemente, Sérgio lhe pede coisas diferentes. Quando sai da linha e se liberta completamente, sem que ninguém saiba bem onde vai aparecer, é o melhor desequilibrador do Campeonato Português. Quando não...também é. E como isso é precioso entre a capacidade de sacrifício dos avançados - sobretudo um deles - a geometria de Oli, a segurança de Danilo e a profundidade dos laterais. 60 milhões, já a seguir.

Soares
Os três golos de ontem não fazem diferença nenhuma. Sabíamos já que ele os pode fazer e fará. O destaque é, acima de tudo, porque parece ter ficado toda a gente húmida com o desempenho do novo colega de setor. Que é bem bom, sem dúvida.

Mas se repararem bem, o FCP de Sérgio Conceição parece feito por medida para a capacidade física e de sacrifício, as razoáveis velocidade e técnica, o sentido de baliza e espírito de corpo de Soares.

Formará com Aboubakar uma dupla de respeito e pode até nem vir a ser o melhor marcador da equipa, mas será com certeza o ponta de lança mais utilizado. E o mais importante. Vão vir milhões.

Oliver
E não é que NES tinha razão? Oliver pode jogar ao lado de Danilo ou de quem seja. A diferença é que tem a quem entregar a bola, seja para trás ou para o lado ou, acima de tudo e a maior parte das vezes, para a frente. É a placa giratória da equipa, uma espécie de bússola que indica para onde será a próxima correria. Fá-lo quase sempre bem e ninguém o pode substituir, o que poderá ser um problema.

De resto, não revela nenhuma nova qualidade. Não, não é um novo Oliver, é o que toda a gente vê, desde que abra ojólhos. Há cada pechincha por 20 milhões...

Herrera
Pois... Talvez a minha expectativa esteja tão baixa que baste este moço não provocar um canto, procedendo a mandar um estoiro em direção à sua própria linha de fundo, para eu achar que está soberbo. Talvez. Mas este Herrera que falha poucos passes, com um pouco mais de tempo para pensar por estar mais atrás, mas que também avança e provoca roturas e aparece na área - ufa! - parece-me útil.

É mais um para quem o futebol do treinador deve assemelhar-se a uma gaja boa no meio de uma reunião de camafeus. Como ele. Arriscando-me ao arrependimento, diria que entre ele e Sérgio Oliveira e, até, André André, venha este Herrera. Aí está a nossa chance de ir buscar los millones.

Aboubakar
Naturalmente. Até porque não temos condições de o substituir. Pelo sim pelo não, mantenham o Marega e o Indi no plantel. Se lhe der a travadinha, é metê-lo no chuveiro cujôtros dois, a ver se não lhe passa a depressão nunstante.

Entretanto, é desembolsar os milhões da renovação. Acabarão por render.

...

E quem não cabeu? Sube-se?

Hernâni
Pá, não vai dar. Alô Turquia? Alô Pione?

Teixeira
Porra pá, eras a minha esperança para dar descanso ao Oliver e não dás mais do que isto? Raisparta. Vai-se a ver, é alguma virose. Pode ser que fiques só porque sim e mostres que estávamos certos. Eu e tu. Mas não parece nada.

...

Soundtrack to new hopes: Another road begins...


22 comentários:

  1. Epá, porra! Não é que não concorde, mas sábado vais falar do quê??

    FAaaaaaqqqqqueee!!!

    Abraçom

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tájabrincar? A audiência da Tasca é uma fração da do Cavani. Pequenina. Anyway, não estás preocupado que eu fique sem coisas para dizer, não? :)))
      Abração.

      Eliminar

    2. @ Silva

      pá, soberba! análise. está tudo lá dentro - menos a gaja do aquário, 'if you know what i mean' ;)

      destaco esta parte e se mo permites:
      «Nada de orgasmos prematuros, até porque nos lembramos de outros rolos compressores que acabaram ajoelhados aos pés de um chato de galocha, em pleno Dragão. Ainda assim, precisávamos disto. Para que o mar cresça e se torne um maremoto, condição essencial para que tenhamos possibilidade de vencer a guerra que aí vem. Que será travada com armas diferentes, como sempre. Nada de ilusões.»
      um #cartilhado não o diria melhor, numa qualquer análise ao seu 5lb do coração (apesar de se assumir "independente")...


      @ Jorge

      tem calma, car@go! estas a subestimar aquele que é a alma do Cavani.
      "verás" que, se não o interromperes (muito), ele te irá surpreender por ter ainda mais pontos de vista sobre estas (e outras) temáticas.
      'chill out, dude! keep calm que é o Silva!'


      abr@ços a «ambos os dois» :D
      Miguel | 92º minuto

      Eliminar
    3. Porra, agora tenho que ir mudar de roupa interior, que me molhei com o elogio :)
      E sim, outros pontos de vista. E antagónicos a estes, se acordar mal disposto. Lol
      Abraço

      Eliminar
  2. Sim senhor. Está (quase?) tudo dito, ou não fosse a opinião de um "expert"!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois claro que é! Entretanto, tens um convite para aceitar ou não, ouvi dizer...

      Eliminar
  3. O Silva com o canudo de treinador?
    Num pode ser!!! Até o Estebes tá parbo!!!
    Só faltou um gajo ao olho mágico do Silva: o André ao quadrado! O gajo também não se pode despachar prá Turquia?
    É que me enerva como o car@lho, perdão, como o carago!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Epá, não. Pergunta Lápis :) O único canudo que possuo é de aviador. De copos. Também :)
      Diz que estão a tratar disso do André, para França. Mas olha que não esteve mal...

      Eliminar
  4. correndo o risco de cometer uma heresia, a ver se o mal amado herrera nao substituirá Danilo em vários jogos com os pecaninos...
    aquele espacinho á frente da área nas transicoes defensivas pode dar mtos problemas e parece-me que o herrera tem defendido melhor que o Danilo exactamente pq percebe melhor onde deve estar...
    estas porras das tacas confederacoes nao dao jeitinho nenhum, é o que é!
    de todos os destaques, contratacoes e regressos, se eu puder destacar 3, diria
    Oliver
    Oliver
    Oliver
    nao se ensina um peixe a trepar arvores, carago!
    este menino deixa-me a sonhar com os amanhas que cantam! de novo!

    mto bem visto em relacao ao Ricardo enquanto terceiro medio, e talvez tenha sido essa a razao para ele ser tao utilizado á frente. a equipa ganha uma consistencia completamente diferente qdo o tecatito dorme no banco em vez de o fazer no campo.

    e qto a fechar o meio campo, tb gostei de ver a movimentacao do teles a ir para o miolo qdo o ricardo sobe - algo q só o maxi fazia no ano passado por ainda vir ensinado pelo jebus.

    tal como tu, parti com um pé atrás (com o nescio só parti a meio da época "eh pá, afinal é possível??"), mas parece o homem certo no momento certo.

    Um dos meus receios... quantos jogos é que o vao conseguir afastar do banco nesta época?

    um abraco!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que está preparado para isso, é inteligente, não se vai deixar afastar facilmente.
      E o Danilo vai ser imprescindivel, quando se habituar. Penso eu de que.
      Epá, e bem aparecido seja, o xôr michael!
      Abraço.

      Eliminar
  5. não creio que te falte paleio para o Cavani. não creio que te falte paleio para nada. talvez te falte paleio para a Erica Fontes. a rever.

    gostei de ler. gosto sempre. abraço,
    Jorge

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh yeah! Bertocchini in da house! Sabes pá, o problema é que ela é uma moça de muito poucas falas...
      Tks dude.
      Abraço.

      Eliminar
    2. É de poucas falas porque tem a boca sempre ocupada!

      Eliminar
    3. Note-se que não fui eu que disse isto!

      Eliminar

    4. @ Felisberto

      L-Ø-L-E-s 😎 nem o Silva se lembrou de tal 😂

      Eliminar
  6. Ricardo, Brahimi e Aboubakar, estamos em sintonia.
    No restante, nem por isso. Sujeitamo-nos a muitos jogos como este com o Gil.
    Venha o Danilo mesmo ao pé cochinho e já agora o seu Sisto e o Nasri.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei para que é que você quer o Nasri. Vade retro!! :)

      Eliminar
    2. (Pé-coxinho...prometo que já chega de copos).
      Eu sei que sabe. Trinta e cinco minutos contra os miúdos mexicanos que lhe deram tempo e espaço para demonstrar os atributos técnicos, que os tem, é muito pouco em 3 épocas.
      Já sei que vou ter de gramar ver em campo, Oliver, André André e Otávio. Com Estoril, Portimonense e similares até pode resultar, mas com equipas mais competitivas e os 3 ao mesmo tempo no relvado, é mesmo um convite para o desastre.

      Eliminar
  7. Estava a correr bem até ao Héctor. Enfim, sobra um grande improvement face ao passado recente - e distante também. Nota-se a influência de um ou outro mestre. Nota-se.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hector is the new Ivan :))
      Vai-se a ver, tu é que andas a ler melhor. É do treino.

      Eliminar
  8. Caro Silva no global, o seu post faz, as usual, uma excelente e realista apreciação do nosso bom momento. A coisa não ficou tão boa quando chegou ao Herrera, aqui estou com o Lápis. Não consigo ultrapassar o fatídico 6/11/2016, dia em que HH teve uma decisão mentalmente diarreica. Até tive pesadelos e, como deve imaginar, ao outro dia (repare que não foi no 'dia seguinte') naquele 5º piso, onde trabalho, que abarrota papoilas bolorentas (ia dizer opientas) foi um verdadeiro sacrifício. No entanto, vou conceder que se me enganar farei a minha penitência pública aqui neste espaço com a uma rodada aos presentes na tasca. Quanto ao Hernani, estou de acordo (já não tanto quanto ao JCT). Por fim e embora o amigo Silva não tenha referido, o Layun também não convence e este é, para mim, um caso enigmático. 'Que passa se'?
    Termino com o espírito do JV no PU: desculpem-me, a sério, tenho convictamente a expectativa de que este ano comemoramos. Contra tudo e contra todos. É este o nosso destino. Eu acredito.
    Um abraço
    Luís Oliveira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hã? O Layun ainda cá está? :)
      A sua expetativa é a de todos nós, todos os anos! Bora lá. Até os comemos carago!
      Abraço.

      Eliminar